Hot Best Seller

Arábia: A Incrível História De Um Brasileiro no Oriente Médio [ebook]

Availability: Ready to download

Lançamento Janeiro 2017 SINOPSE Você largaria seu emprego em uma multinacional para estudar em uma universidade que ainda nem existia? E se esta universidade fosse na Arábia Saudita? Pois é... Rafael Coelho largou tudo, se mudou para o Oriente Médio e agora descreve, sob a perspectiva de um jovem de vinte e poucos anos, este curioso relato de forma divertida e Lançamento Janeiro 2017 SINOPSE Você largaria seu emprego em uma multinacional para estudar em uma universidade que ainda nem existia? E se esta universidade fosse na Arábia Saudita? Pois é... Rafael Coelho largou tudo, se mudou para o Oriente Médio e agora descreve, sob a perspectiva de um jovem de vinte e poucos anos, este curioso relato de forma divertida e minuciosa. Na Arábia Saudita há muito mais do que petróleo e sheiks. Trata-se do berço do Islamismo e um dos países mais conservadores e fechados do mundo, onde mulheres não podem dirigir, bebidas alcoólicas são proibidas e a pena de morte é sentenciada por decapitação em praça pública. ARÁBIA: A Incrível História de Um Brasileiro no Oriente Médio é uma aula de diversidade cultural e respeito às diferenças, usando de histórias reais nas terras sauditas e, também, em países vizinhos, incluindo a Síria, um pouco antes da ascensão do Estado Islâmico. ARÁBIA é muito mais do que um livro de viagens. É uma leitura inspiradora que mostra como decisões fora da caixa podem ser acertadas e proveitosas. Depois de conhecer essa história, será impossível você olhar para "oportunidades bizarras” com os mesmos olhos de sempre.


Compare

Lançamento Janeiro 2017 SINOPSE Você largaria seu emprego em uma multinacional para estudar em uma universidade que ainda nem existia? E se esta universidade fosse na Arábia Saudita? Pois é... Rafael Coelho largou tudo, se mudou para o Oriente Médio e agora descreve, sob a perspectiva de um jovem de vinte e poucos anos, este curioso relato de forma divertida e Lançamento Janeiro 2017 SINOPSE Você largaria seu emprego em uma multinacional para estudar em uma universidade que ainda nem existia? E se esta universidade fosse na Arábia Saudita? Pois é... Rafael Coelho largou tudo, se mudou para o Oriente Médio e agora descreve, sob a perspectiva de um jovem de vinte e poucos anos, este curioso relato de forma divertida e minuciosa. Na Arábia Saudita há muito mais do que petróleo e sheiks. Trata-se do berço do Islamismo e um dos países mais conservadores e fechados do mundo, onde mulheres não podem dirigir, bebidas alcoólicas são proibidas e a pena de morte é sentenciada por decapitação em praça pública. ARÁBIA: A Incrível História de Um Brasileiro no Oriente Médio é uma aula de diversidade cultural e respeito às diferenças, usando de histórias reais nas terras sauditas e, também, em países vizinhos, incluindo a Síria, um pouco antes da ascensão do Estado Islâmico. ARÁBIA é muito mais do que um livro de viagens. É uma leitura inspiradora que mostra como decisões fora da caixa podem ser acertadas e proveitosas. Depois de conhecer essa história, será impossível você olhar para "oportunidades bizarras” com os mesmos olhos de sempre.

30 review for Arábia: A Incrível História De Um Brasileiro no Oriente Médio [ebook]

  1. 5 out of 5

    Mácio Meneses

    Embora eu tenha dado 3 estrelas para esse livro, eu recomendo a sua leitura... O texto, em resumo é um depoimento sobre o período de mestrado do autor. Talvez eu seja muito conservador da minha parte, mas achei a linguagem do texto, por vezes, muito simplória, chula e com muitas palavras de baixo calão... Não quero ser moralista, e sei que a linguagem adotada foi proposital, para dar um ar de “conversa” ao texto, mas acho que existem outras firmas de atrair a atenção do leitor. Essa não é a ling Embora eu tenha dado 3 estrelas para esse livro, eu recomendo a sua leitura... O texto, em resumo é um depoimento sobre o período de mestrado do autor. Talvez eu seja muito conservador da minha parte, mas achei a linguagem do texto, por vezes, muito simplória, chula e com muitas palavras de baixo calão... Não quero ser moralista, e sei que a linguagem adotada foi proposital, para dar um ar de “conversa” ao texto, mas acho que existem outras firmas de atrair a atenção do leitor. Essa não é a linguagem que eu espero encontrar em um livro. Se eu quiser ouvir uma conversa informal, eu geralmente vou ao YouTube. Não abandonei a leitura do livro porque eu sou bastante interessado na cultura oriental, a qual eu ainda conheço muito pouco. O livro tem várias curiosidades e esclarecimentos a respeito do oriente médio e, por isso, gostei de ter lido esse livro hoje.

  2. 4 out of 5

    Gregorio Maligno

    O livro é engraçado, ligeiro, não é uma obra literária nem o autor tem jeito para escrever, mas lê-se rápido e tem algumas historias interessantes. Não criei grande empatia com o autor, pareceu-me demasiado convencido.

  3. 4 out of 5

    Paulo Vinicius Figueiredo dos Santos

    Quando o Rafael me contactou para fazer a resenha do livro dele, fiquei um pouco preocupado. Seria a primeira vez que eu faria esse tipo de resenha que eu faço para um livro de não-ficção. Mas, assim como o Rafael fez ao partir para o Oriente Médio aceitei o desafio. E que leitura gostosa foi esse livro. A escrita do Rafael é bem tranquila e dinâmica. Alguns leitores podem ficar incomodados com o carioquês dele. Para mim, não me incomodou nem um pouco. Okay, eu sou carioca também. Mas, o estilo Quando o Rafael me contactou para fazer a resenha do livro dele, fiquei um pouco preocupado. Seria a primeira vez que eu faria esse tipo de resenha que eu faço para um livro de não-ficção. Mas, assim como o Rafael fez ao partir para o Oriente Médio aceitei o desafio. E que leitura gostosa foi esse livro. A escrita do Rafael é bem tranquila e dinâmica. Alguns leitores podem ficar incomodados com o carioquês dele. Para mim, não me incomodou nem um pouco. Okay, eu sou carioca também. Mas, o estilo de escrita que ele optou por usar se mostrou incrível porque parece que o autor está sentado comigo em uma mesa de bar, tomando uma cerveja e contando sobre as suas experiências. Um livro escrito de um jeito honesto e informal que acabou me acompanhando entre leituras mais complexas e chatas que eu tinha pelo caminho. Toda vez que eu pegava este livro era aquele momento descontraído em que eu lia três ou quatro capítulos de uma só vez. E é completamente possível fazer isso. Até procurei me limitar um pouco para poder curtir um pouco mais a leitura. O público-alvo de Arábia: A Incrível História de um Brasileiro é bem amplo. Uma coisa que é bem clara é que aqui você não vai encontrar um guia de viagem ou uma escrita erudita. A ideia é ser um livro informal contando algumas experiências que o autor passou no Oriente Médio. E que fizeram com que ele desconstruísse uma série de ideias pré-concebidas que ele tinha a respeito da Arábia. Portanto, não vá com as expectativas erradas nesse sentido. Acho que o livro atende àquele leitor que procura uma leitura menos complexa e mais voltada para relatos de vida. É o tipo de experiência que você não vai ver em algo mais jornalístico e menos tendencioso do que um livro de viagens. Alguns leitores podem reclamar que as experiências dele foram positivas porque ele ficava em um espaço controlado. Mas, é lógico que seriam. Não era o objetivo dele se colocar em uma zona de perigo apenas para ter algo mais fiel. E eu consigo fazer a ligação do público-alvo com os temas trabalhados. Para mim, o trabalho do Rafael é extremamente importante. A gente precisa sair um pouco daquela coisa de vitimizar ao limite as pessoas que vivem no Oriente Médio. Tem violência? Tem. Tem guerra? Tem. Oras, mas aonde vivemos também tem as mesmas coisas. Todos os dias morrem dezenas de pessoas em conflitos entre a polícia e traficantes. Outro tema importante é o de entender a cultura local. Vivenciar como as coisas funcionam de verdade e não acreditar em fatos que segundos ou terceiros contam. Por exemplo, lá fora diz-se que as brasileiras são mulheres fáceis ou que cariocas são todos preguiçosos e folgados. Isso é verdade? É lógico que não. Se tornou algo cultural. E é de encontro ao que não sabemos sobre povos de religião muçulmana que chega esse trabalho. Quero parabenizar o autor por esta incrível iniciativa. Ao dividir conosco sua experiência de vida, talvez ele consiga fazer com que alguns de seus leitores percam um pouco dessas ideias pré-concebidas sobre os povos árabes. Torço para que surjam mais trabalhos como esse nos próximos tempos e que mais pessoas se animem em dividir suas experiências de vida únicas conosco.

  4. 5 out of 5

    Rachel

    Duas pessoas para escrever esse monte de bobagens! A primeira coisa que se nota é que quem escreveu isso tem sérios problemas com alcool. Não é uma crítica, é um fato. Tudo gira em torno disso, e é lamentável. Ele passa o livro inteiro associando os cidadãos sauditas aos terroristas. "burka hardcore"? Que estupidez é essa?! Fica claro nos títulos dos capítulos: "ameaça terrorista", "hezbollah da balada", "abatedouro de gente", "Estado Islâmico" e "Professor do Bin Laden" A linguagem infantil e ra Duas pessoas para escrever esse monte de bobagens! A primeira coisa que se nota é que quem escreveu isso tem sérios problemas com alcool. Não é uma crítica, é um fato. Tudo gira em torno disso, e é lamentável. Ele passa o livro inteiro associando os cidadãos sauditas aos terroristas. "burka hardcore"? Que estupidez é essa?! Fica claro nos títulos dos capítulos: "ameaça terrorista", "hezbollah da balada", "abatedouro de gente", "Estado Islâmico" e "Professor do Bin Laden" A linguagem infantil e rasa de blog em um texto sofrível que só serve para se gabar que a família tem poder aquisitivo ou se achar muito inteligente. Ele não teve qualquer dificuldade na vida e fica claro na forma que narra que não dá valor a isso. E, sim, vive a base da Lei de Gerson. Visão preconceituosa sobre chineses e argentinos. Em um dado momento ele solta um "graças a Deus não tinha argentino". Quer estupidez maior? A falta de conhecimento sobre o país é tão absurda que segundo o "autor", tudo que ele viu foi construído pelo Rei Abdullah. Sim, se ele não saiu do Campus, é verdade, tudo foi construído por ele. Então o resto do livro é mentira. Por isso a falta de informação crônica? De novo, você não aprenderá absolutamente nada sobre Arábia Saudita. Ele saiu do país com conhecimento completamente raso sobre a cultura árabe e saudita. O livro não narra nada sobre a cultura e o cotidiano local. Lembrando que isso ocorreu na fase Rei Abdullah, anterior a fase de abertura do Rei Salman/MBS. Total desinformação. Ouvi audiobook com a narração caricata de Tarcisio Pureza. Se o livro tivesse conteúdo, seria divertido ouvir uma narração típica de carioca- vagabundo-filhinho-de-papai-da-zona sul (eu sou do Rio). Mas não é o caso, chega ao ponto de irritar. Não serve para guia turístico, não serve para motivacional, não serve para conhecer a cultural local sob o ponto de vista de um brasileiro. Não serve para nada. Ainda não acredito que alguém ainda considera isso "motivacional". Segundo ele, você tem que dar um jeito de viajar. Mesmo que você seja casado e com filhos, isso não é desculpa! Não é o caso dele, mas não tem vivência, não espere conselho que preste de alguém que vive numa bolha.

  5. 4 out of 5

    Igor

    Rápido, informativo e motivacional Como também fiz um mestrado numa terra 'exótica', Coreia do Sul, identifiquei-me de cara com a história do autor. Certamente menos 'exótico' e complicado que a Arábia Saudita, mas ainda sim, cheio de experiências e aprendizados similares. Só faria uma crítica que ele poderia ter descrito um pouco mais da rotina na universidade e particularidades dos professores locais. Vale a pena! Rápido, informativo e motivacional Como também fiz um mestrado numa terra 'exótica', Coreia do Sul, identifiquei-me de cara com a história do autor. Certamente menos 'exótico' e complicado que a Arábia Saudita, mas ainda sim, cheio de experiências e aprendizados similares. Só faria uma crítica que ele poderia ter descrito um pouco mais da rotina na universidade e particularidades dos professores locais. Vale a pena!

  6. 4 out of 5

    Cris Bonfim

    Livro incrível e altamente inspirador Muito bom, li todo o livro em cinco horas,a narrativa é envolvente e cativante.ótimo incentivo para aqueles que gostam de viajar e inspiração para aqueles que ainda não decidiram o que fazer da vida.

  7. 4 out of 5

    Karla Gontijo

    Falta uma boa revisão, mas é interessante.

  8. 4 out of 5

    Abdias Queiroz

    A leitura vale a pena!

  9. 5 out of 5

    Antonio Bruno Alves

    A experiência do autor é incrível e abre a cabeça de qualquer um para explorar o mundo e ter coragem para tomar decisões difíceis. A nota baixa foi por conta da falta de revisão do livro, o que acaba incomodando a experiência da leitura.

  10. 5 out of 5

    Annette

    adorei o livro todo. Conhecei o mundo do Arabia, muito diferente ao nossos preconceitos. Rafael é um escritor legal. No livro há um monte de bons conselhos, eu somente estou chateada porque não posso ir pra la Arabia. Embora eu vou procurar ir ao Dubai.

  11. 5 out of 5

    Lucas Santos

  12. 4 out of 5

    Kholoud

  13. 4 out of 5

    Marcílio Nascimento

  14. 5 out of 5

    Marcelo Mussarelli

  15. 4 out of 5

    Stefany Ribeiro

  16. 4 out of 5

    Lara Prest

  17. 5 out of 5

    Antonio Ricardo

  18. 5 out of 5

    Gabriel Henrique

  19. 5 out of 5

    Guilherme Pereira

  20. 5 out of 5

    Maer Melo

  21. 5 out of 5

    Marcia Oliveira

  22. 5 out of 5

    Sarah

  23. 5 out of 5

    Es Chinchilla

  24. 4 out of 5

    Janaina Silva

  25. 5 out of 5

    Ian Freitas

  26. 4 out of 5

    Diego

  27. 5 out of 5

    Marcel Citro de Azevedo

  28. 4 out of 5

    Gabriel Braga

  29. 5 out of 5

    Tayana Santos

  30. 4 out of 5

    Analu Misao

Add a review

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Loading...